Partilha - averbação - emolumentos

Decisões administrativas de referência para os registradores prediais.
SergioJacomino
Mensagens: 33
Registrado em: Ter Mar 20, 2007 7:17 pm
Localização: São Paulo
Contato:

Partilha - averbação - emolumentos

Mensagempor SergioJacomino » Seg Out 06, 2008 1:05 pm

Custas e emolumentos. Reclamação – valor de cobrança. Partilha – ato de registro ou averbação.

Ementa não-oficial: Partilha em separação judicial. Imóveis partilhados em comum entre os separandos. O formal de partilha ingressa no Registro por ato de averbação e o critério de cobrança de emolumentos é a prática de ato com valor declarado (item II, 1, das Notas Explicativas da Lei 11.331/2002) .


Processo 583.00.2008.172055-6

VISTOS.

RENATO BEREZIN formulou RECLAMAÇÃO contra o 5º Oficial de Registro de Imóveis da Capital, alegando excesso de cobrança para averbar a partilha de sua separação judicial junto aos imóveis matriculados sob os nº 77.677, 77.678 e 77.679, daquela Serventia.
Aduz que, de acordo com as notas explicativas do site da Arisp, item 2.4, as averbações referentes à separação ou divórcio são sem valor declarado, o que enseja cobrança de R$ 14,88 por averbação, totalizando, as três que solicitou, R$ 89,28, e não os R$ 2.815,00 inicialmente cobrados, nem os R$ 985,11, cobrados em definitivo. Pede aplicação das penalidades do art. 32, da Lei nº 11.331/02.

O Oficial prestou informações sustentando o acerto da cobrança baseando-se nas Notas Explicativas anexas à Lei 11.331/02, nas Normas de Serviço da Corregedoria Geral da Justiça, na Lei nº 6015/73, e nos precedentes da 1ª Vara de Registros Públicos e do E. Conselho Superior da Magistratura (fls. 63/67).

É O RELATÓRIO.

FUNDAMENTO E DECIDO.

Com a homologação da partilha na separação judicial, os bens imóveis matriculados sob os números 77.677, 77.678 e 77.679, do 5º Registro de Imóveis, permaneceram sob o domínio do reclamante e de sua ex-esposa no regime jurídico de condomínio, na proporção de 50% para cada, e não mais no de comunhão de bens pelo casamento.

Trata-se de ato suscetível de averbação, de acordo com o Comunicado nº 12/82, item “b”, da E. Corregedoria Geral da Justiça, o qual dispõe que é objeto de averbação a sentença de separação judicial, ou de nulidade ou anulação de casamento, que não decidir sobre a partilha dos bens dos cônjuges, ou que apenas afirmar permanecerem estes, em sua totalidade, em comunhão (art. 167, II, 14, da Lei de Registros Públicos), atentos, nesse caso, para a mudança do caráter jurídico da comunhão, com a dissolução da conjugal (art. 267 do CC) e surgimento da condominial pro indiviso (art. 623 e ss. do CC).

Na mesma senda, o item I, “b”, nº 14, do Capítulo XX, das Normas de Serviço da Corregedoria Geral da Justiça.
Superada a questão quando à natureza do ato a ser praticado – de registro ou de averbação – a divergência consiste em fixar o critério de cobrança dos emolumentos: ato com ou sem valor econômico.

Segundo o reclamante, trata-se de ato sem valor, na forma item II.4, das Notas Explicativas anexas à Lei 11.331/02; já a Serventia entende que o ato é com valor e o enquadra no item II.1, das Notas.

O item II.4 reserva-se aos casos de mera alteração do estado civil das pessoas, sem partilha.
Sucede que, no caso posto, além da alteração do estado civil do reclamante decorrente da separação judicial, houve partilha dos imóveis, a qual modificou o regime jurídico desses bens, que passaram da comunhão de bens ao condomínio pro indiviso. Trata-se, pois, de alteração das coisas, hipótese classificada como ato com valor, no item II.1, das Notas Explicativas à Lei nº 11.331/02.

Correta, por conseguinte, a cobrança dos emolumentos feita pela Serventia.

Posto isso, INDEFIRO o pedido formulado por RENATO BEREZIN contra o 5º Oficial de Registro de Imóveis da Capital.

Nada sendo requerido no prazo legal, ao arquivo.

PRIC.

São Paulo, 25 de setembro de 2008.

Gustavo Henrique Bretas Marzagão.
Juiz de Direito.
Anexos
583.00.2008.172055-6 - Custas - partilha - averbação - adendo.pdf
Informações do Oficial
(432.7 KiB) Baixado 781 vezes
583.00.2008.172055-6 - Sentença.pdf
Sentença
(318.41 KiB) Baixado 738 vezes
Quinto Registrador Imobiliário de São Paulo

Voltar para “Decisões Paradigmáticas”

Quem está online

Usuários neste fórum: Nenhum usuário registrado e 1 visitante

cron